Metamorfoses Profissionais: o coaching nas mudanças de carreira

Na astrologia tem uma coisa chamada Retorno de Saturno, que acontece a cada 29 anos em nosso mapa natal. Esse é o tempo que o planeta leva para dar uma volta completa em torno do Sol. O primeiro ciclo é bem durante nossa virada para os 30 anos – como se esse marco já não parecesse traumático o suficiente.

Saturno é o limite. O último planeta que vemos a olho nu.

Assim, com sua presença, percebemos nossas próprias limitações. Somos chamados a crescer. Nessa época o que precisa mudar, muda. Tem gente que casa, descasa, tem filhos, adota cachorro, muda de país, e muitas vezes – muitas mesmo – muda de carreira.

Mudar de emprego deixou de ser loucura faz tempo. Já não passamos décadas aprendendo e aperfeiçoando um ofício. Na mesma agilidade que nossos stories desaparecem e reaparecem na web, também faz nossa mente. Aflita pelo novo.

Este novo nem sempre nos é tão claro. Parece perdido ou distante. Tal como parece Saturno.

Para não ficar à deriva nesse universo de cenários, buscar ajuda profissional é um mapa do tesouro. “Um processo de Coaching poderá ser valioso em momentos nos quais as pessoas se sentem estagnadas, querem mudar seus rumos ou mesmo quando possuem um projeto e querem colocá-lo em prática, mas não estão seguros”, me explica Mariana Galesi, que é psicóloga e coach.

Dá pra curtir essas mudanças na serenidade

Essencial diferenciar o que é crise do que é carreira. O processo de Coaching tem como foco nossa vida profissional, estabelecendo objetivos a serem cumpridos em um determinado espaço de tempo. Enquanto a psicoterapia vai a níveis mais profundos: “desde a supressão de determinados sintomas emocionais ou dificuldades adaptativas a processos de autoconhecimento”, completa Mariana.

A insatisfação é o principal sintoma, indicando que algo não vai bem.

Durante o primeiro contato com o Coaching, a demanda será avaliada, para saber se este é o caminho ou pela psicoterapia. “Porém, virtualmente qualquer carreira pode ser impulsionada e aprimorada. Não é necessário sentir-se mal para buscar excelência”, diz Mariana.

Mariana buscou para além de sua formação como psicóloga, a especialização em coaching.  Ampliando seu repertório.  “O que mais me cativou foi oferecer um serviço voltado para o aperfeiçoamento de qualquer área, fora do espectro de saúde mental, e mesmo assim promover transformações intensas na vida das pessoas”, diz.

Como Funciona o Coaching

Seu coach precisa garantir resultados, aí que está a magia. “A ideia é que o cliente está em um ponto A, desejando determinado resultado, o ponto B”, explica Mariana. Exatamente por isso, o objetivo deve ser específico, mensurável, atingível, relevante e ter um prazo determinado.

“Com esses critérios em mente, o coach e o coachee irão formular uma frase que sintetize o ponto B e todo o processo será focado nisso”, completa.

Além do objetivo propriamente dito, o coachee levará de seu processo uma melhoria de foco, ferramentas para manejo e gestão de suas questões, reestruturações em suas crenças, clareza de valores e ideais. Existem outras áreas além da profissional em que este formato pode ser aplicado, por isso surgiram diferentes modalidades como o coaching de vendas, esportivo ou financeiro. 

Sendo Mulher

Mariana explica que nosso gênero ainda passa por um fenômeno chamado de Teto de Vidro: “são barreiras invisíveis que criam obstáculos difíceis de serem transpostos”.

O mecanismo está arraigado na nossa cultura. Muitas vezes essas barreiras são interpretadas como escolhas livres. “O exemplo mais clássico é a carreira da mulher que estagna ou reduz a curva de crescimento com a maternidade”, aponta.

Um censo de 2010 do IBGE, diz que em média as mulheres recebem 30% menos que os homens no país. O Brasil, aliás, está em 124º lugar, entre 142 países, no ranking de igualdade de salários.

O relatório do Fórum Econômico Mundial, afirma que a igualdade de gêneros só será possível em 2095. A disparidade, se tratando de participação econômica e oportunidades para as mulheres, gira em torno de 60%. No mundo inteiro, as mulheres têm menos de 25% de representação política em relação à alcançada pelos homens e 59% de participação econômica.

Isso tudo gera um enorme desgaste, acabamos por desistir ou nos contentamos em ser coadjuvantes, porque a posição de liderança acaba sendo custosa demais.

“No mais, temos os já infelizmente bem conhecidos pontos de desigualdade: salários menores, atribuições sexistas – ao estilo: subiu na carreira porque dormiu com o chefe – ter passado uma vida sem estímulo a competição, escolaridade prejudicada por cargas de atividades domésticas já a partir da infância…”

O que fazer se você está insatisfeita com sua carreira

Perceber o problema é sempre o primeiro passo para sua solução. Mariana dá algumas dicas para que você tome controle e busque mudanças.

 ♦ Avalie a carreira que dispõe no momento;

 ♦ Depois, o cenário onde está inserida (necessidade financeira, dívidas, formação, aptidões, demandas atuais de mercado, rede de apoio, networking e etc);

 ♦ Liste as coisas que realmente importam para você. Essa lista deve ser curta, com no máximo cinco itens;

 ♦ É importante se ter clareza de qual ponto está gerando essa insatisfação: é o trabalho em si? A remuneração? A relação com a chefia?

Cada caso é único e deve ser avaliado dentro de suas especificidades. Sabemos que muitas vezes a vida não permite grandes guinadas, mas, com planejamento e foco, é possível promover melhoras significativas.

Metamorfoses Profissionais: o coaching nas mudanças de carreira

Sobre o autor
- O nome é Hellen, mas pode chamar de Hell. Jornalista, feminista e contraditória, tenho como combustíveis o café, poesia e boas gargalhadas. Minha relação com a escrita é a mais longa que já tive, mas vivo em flerte com a moda. Sou aficionada por histórias, portanto é fácil me encontrar em um brechó, as buscando nas roupas; em um sebo, perdida nas páginas dos livros; ou observando tudo que há a volta – cuidado para não trombar comigo! Acredito na beleza como um sentimento e na moda como uma expressão cultural.

Comentários no Facebook